Orçamento analítico X sintético: quais as diferenças

Você conhece as diferenças entre as composições dos orçamentos analíticos e orçamentos sintéticos? Sabe o quanto isso pode impactar no seu planejamento financeiro durante uma obra? Entender melhor esse assunto é essencial para controlar os gastos.

Cada um dos dois tipos de orçamento conta com suas características próprias, que podem ajudar a mensurar quanto será gasto durante uma construção civil. Suas composições podem fazer com que uma estratégia de gastos mais econômica seja adotada.

Quer se aprofundar no assunto? Então confira o artigo a seguir para saber mais sobre as composições dos dois tipos de orçamento!

Composições do custo de uma obra

Um dos aspectos que torna mais simples a diferenciação entre orçamento analítico e sintético, é analisar a composição de ambos. Como veremos, isso acaba sendo um ponto chave para conseguir entender melhor os dois conceitos.

No mais, para tornar o panorama ainda mais simples de ser entendido, apresentaremos as composições de custos dos dois tipos de orçamento em tópicos diferentes.

Vamos começar abaixo, pelo orçamento analítico.

Composições do orçamento analítico

O orçamento analítico é a alternativa de orçamento mais completa, afinal, ele leva em consideração todos os gastos que o proprietário do imóvel terá durante a obra. Isso inclui a compra de materiais, a mão de obra, entre outros custos que possam surgir.

Por ser mais completo, já é de se imaginar que acabe apresentando mais composições do que o orçamento sintético, pois, no fim das contas, acaba sendo necessário analisar alguns pontos a mais do que em outra solução.

Vamos conferir abaixo:

Insumos

Os insumos são uma parte importante de uma obra, afinal, neles, estão inclusos os elementos utilizados como matéria-prima, a energia que será gasta, os custos com o maquinário, além da mão de obra dos que trabalharão na construção.

Coeficiente

Quando falamos de coeficiente, estamos analisando qual será a quantidade de insumo que será gasta para que seja possível obter 1 unidade de serviço. É, basicamente, quanto será gasto para conseguir progredir durante a construção.

Unidade

É a forma como os insumos serão medidos em sua construção. Elas podem dizer respeito a área, peso, tempo, entre outras medidas. Alguns exemplos que podem ser tomados como unidade são horas, quilos, metros quadrados etc.

Custo unitário e total

O custo unitário é o valor a ser gasto para conseguir uma unidade de insumo. Já quando falamos de custo total, estamos nos referindo à quantidade de insumos que será gasta para conseguir uma unidade de serviço. Basicamente, é só multiplicar o custo unitário pelo coeficiente.

Composições do orçamento sintético

Para finalizar sobre as diferenças de orçamento analítico e sintético, vamos apresentar agora as composições do orçamento sintético, que são em menor número do que na outra modalidade. Isso porque, ele é uma versão mais compacta da analítica.

O orçamento sintético analisa apenas o custo unitário do serviço, sem levar em consideração quais serão os insumos utilizados em uma construção. É, de maneira resumida, uma síntese de quais serão os gastos com materiais na construção.

No fim, os dois tipos de orçamento acabam apresentando valores parecidos, isso quando não apresentam valores iguais. Aqui, o grande objetivo, no final das contas, é dar uma estimativa de gastos para quem vai construir.

Gostou do nosso conteúdo? Então não deixe de fazer um cadastro em nosso site, onde você pode testar o nosso sistema de forma gratuita. Venha conhecer!

Related Posts